Labirinto de Sonhos

Battle for Azeroth – World of Warcraft

Dia 13 de agosto chegou a nova expansão de World of Warcraft, Battle for Azeroth

Eu estava super mega empolgada depois do cenário de cerco a Lordareon, então a ansiedade tava a mil. Tirei folga porque a intenção era upar insanamente (mas o cansaço venceu). Foram dias fazendo muita quest e me divertindo pra caramba.

Minha pandinha linda toda fofa de piratinha!

Começa lá em Silithus (onde o Sargeras fincou a espadona que machucou o planetinha), lá o Magni quer falar contigo e diz que a própria Azeroth quer nos dar um presente. E o titã nos dá o coração de Azeroth, parte do seu poder para usarmos para deter as forças que assolam o mundo (em forma de colar, pra usar perto do <3 – amei essa parte) e através dele podemos absorver azerita (o sangue de Azeroth) para ficarmos mais fortes.

Fiz as quests da Jaina para ir pra Kul’Tiraz e gente, Porto de Boralus é apaixonante! Todo cenário de pirata, uma trilha sonora maravilhosa e muita muita quest. O primeiro mapa que fiz foi Drustvar, que tem uma história muito boa e que me agradou bastante. Eu joguei com o modo de guerra ativado (vulgo pvp) até o nível 114, depois desliguei e fui ser feliz haha Peguei as quests para começar a Campanha de Guerra, mas escolhi terminar os mapas de Kul’Tiraz primeiro antes de ir para Zandalar.

Kul'Tiraz – mapa da Aliança

Zandalar – mapa da Horda

 

Na sequência, fiz o mapa de Vale Trovamare e depois o Estreito Tiragarde. Quase terminando o último mapa, cheguei no nível 120, consegui aproveitar bem os mapas, parava pra minerar ou pegar tesouros (aproveitar pra upar profissão é o negócio né?) e encontrar lugares legais.

Referência a Ursinho Pooh em Trovamare <3

Terminei os mapas e fui começar a Campanha de Guerra, muita coisa pra fazer e Zandalar é bem legal. Precisei acelerar um pouco essa parte porque queria liberar logo as missões mundiais.

Logo depois que termina as histórias e a Campanha de Guerra, habilitam as missões mundiais, o antigo apito de Argus funciona em Kul’Tiraz e Zandalar, e dá uma boa ajudinha nas missões.

Pra mim valeu a pena, teve muita quest pra fazer, boas histórias, npc’s carismáticos e personagens icônicos (alô Filinto!)

A história da Jaina Proudmore que acontece depois do nível máximo pra mim foi incrível e: JAINA RAINHAAAAAA!

Jaina Rainhaaaaaaaa

Agora ainda tem bastante trabalho pela frente, várias conquistas pra pegar, reputações pra upar.

Nesse post trago mais sobre a minha experiência nesse comecinho de nova expansão, se tiver alguma dúvida ou queira conversar sobre, só me chamar! 😀

Lareil se divertindo!

Gostariam de ver mais postagens como essa por aqui? Me deem a opinião de vocês pra tornar o bloguinho ainda melhor e aconchegante!

Um beijo no coração!

[Resenha] Zen para distraídos
[Resenha] Duny – Meu livro. Eu que escrevi
[Resenha] A Sereia – Kiera Cass